Se foi com classe e maestria. Lições do discurso de despedida de Barack Obama.

As mudanças só ocorrem quando as pessoas comuns estão envolvidas. Barack Obama

Segundo semestre de 2008 e, após algum tempo como consultora, havia decidido retornar ao mundo corporativo. Tarefa nada simples, mas que requer foco em vários aspectos – networking, aprendizado, reciclagem e muita dedicação.

Uma das minhas metas era me preparar para futuras entrevistas“aprimorando o inglês”. Comecei a assistir aos canais CNN e BBC, para respirar o idioma diariamente, e foi quando me deparei com ele pela primeira vez – Barack Obama.

Acompanhei passo a passo as primárias do partido democrata, onde sua opositora era Hillary Clinton (outra mestre na arte de falar em público). Como Relações Públicas, uma das minhas mais excitantes atividades era “treinar executivos para falar em público”, fossem empregados, clientes ou mídia.

O tema “public speaking” sempre foi alvo de mega-interesse da minha parte. Aliás, eu diria que uma paixão! Agora, atuando como palestrante, mais do que nunca, um desafio.

Adrenalina pura é o que descreve a sensação vivida por mim em outra atividade que eu também amava – organizar eventos. Costumo comparar evento a uma corda bamba. Você tem que se manter firme do começo ao fim e estar preparado para imprevistos de todos os tipos. Mas que é fascinante é!!

Meu conhecimento sobre Marketing Político é básico, o que não impede de discordar de algumas estratégias. Mas aqueles meses foram de puro aprendizado sobre sobre “falar em público” e “organizar eventos de grande porte”. Ficava atenta a todos os detalhes daquelas mega-convenções organizadas pelos partidos políticos.

Por isso, posso dizer que acompanho Barack Obama desde antes de ter sido eleito o 44 presidente dos Estados Unidos. Tenho acompanhado a pessoa e não o político.

A cada discurso que assisti durante meses, ficava me perguntando: quem será que o ajuda nos discursos? Quem o treina?. Ele sempre me pareceu perfeito. Mesmo notando que utiliza o “tele prompter” (vidro que reflete o texto), sua postura chama a atenção.

Me parece que falar em público é mesmo um dom de Obama. Após seu brilhante discurso na Convenção Nacional Democrata de 2004, passou a ser aclamado e receber atenção da mídia. Este foi o discurso que projetou um político a mais no caminho da presidência dos EUA.

O restante da história é de conhecimento público e, mesmo diante de controvérsias ou não, após 12 anos, seu segundo mandato chegou ao fim.

E ele se despediu de maneira singular. Em um longo discurso, num evento extraordinário, acompanhado por sua família, amigos e partidários, é impressionante a leveza com a qual Obama deixa sua marca pessoal marcada na história.

Confira quatro frases simbólicas do último discurso de Barack Obama, compiladas pela BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

#1″Vocês foram a mudança”: Obama deu crédito aos cidadãos pelas várias realizações de seu governo.

#2 “O futuro está em boas mãos”: foi a forma otimista do líder de dirigir-se às novas gerações que, segundo ele, “em breve serão maioria”.

#3″Peço a vocês que criem”: o “último pedido como presidente” de Obama foi um apelo para que os americanos usem suas habilidades para mudar as coisas.

#4″Sim podemos”: assim concluiu o presidente dos Estados Unidos em seu discurso. Ele afirmou que ter servido a seu país foi a maior honra de sua vida. Depois agradeceu à plateia, pediu a Deus que “continue abençoando os Estados Unidos” e terminou a fala.

A grande maioria das versões que encontrei não estão traduzidas, mas abaixo é possível observar a postura, maestria e classe com as quais ele se dirige à multidão presente.

 

Mesmo que não compreenda suas palavras, vale a pena analisar, cuidadosamente, cinco pontos importantes em seu último discurso como presidente dos EUA:

#1 – Suas palavras foram, cuidadosamente, selecionadas, desde quando menciona questões políticas, agradece sua família e declara “Sim, nós fizemos” – balanceando com o slogan de sua campanha “Sim, nós podemos”.

#2 – Usou pausas para reforçar a mensagem. Arrepiei quando ele se direciona a Michelle Obama em gesto de agradecimento, seguido por gritos e aplausos dos presentes, e mais uma longa pausa em suas palavras.

#3 – Ofereceu diversas oportunidades para que o público interagisse com sua mensagem. E o retorno foi esfuziante.

#4 – Usou da entonação verbal e corporal para marcar partes do discurso que buscou enfatizar. Em determinados momentos, inclusive, a emoção ficou a flor da pele.

#5 – Inspirou o público com declarações otimistas ao falar sobre o futuro, e os convidou a ser parte da mudança.

As mudanças só ocorrem quando as pessoas comuns estão envolvidas. Barack Obama

Até a próxima.

Luciane Borges

Deixe seu comentário: